Análise SWOT: o que é e como surgiu

analise_swot.jpgAo longo de décadas, diferentes organizações tem utilizado essa ferramenta para conseguir tomar decisões. Mas o que é e como funciona uma análise Swot?

Como surgiu a Análise Swot

A análise foi resultado da necessidade de conhecer os principais motivos responsáveis pelas falhas de um planejamento empresarial.  A empresa Du Pont, em 1949, foi responsável por implantar o planejamento corporativo e, aos poucos, outras organizações foram adotando a mesma postura. O planejamento de longo prazo dessas empresas não funcionava como deveria, e todo investimento feito estava se perdendo.

Observou-se que a gestão de mudança e a definição de objetivos realistas não estavam sendo condizentes com os compromissos assumidos.  Então, foi desenvolvido um programa de ação em conjunto para conseguir encontrar uma solução, onde 1.100 empresas foram entrevistadas e tiveram mais de 250 itens observados com a ajuda de questionários.

Itens como valores, avaliações, motivação, pesquisa, seleção, programas e monitoramento foram investigados. Foram utilizados questionamentos como:

  • O que é bom e ruim e presente no futuro?
  • O que é bom é satisfatório?
  • O que é bom é uma oportunidade no futuro?
  • O que é ruim hoje é uma falha?
  • O que é ruim no futuro é uma ameaça?

E isso foi chamado de análise Swot.

Albert Humphrey testou essa metodologia entre os anos de 1960 e 1970, no Instituto de Pesquisa de Stanford. Fizeram parte da equipe de investigação: Marion Dosher, o Dr. Otis Benepe, Albert Humphrey, Robert Stewart, Birger Lie. A pesquisa utilizou-se de 500 empresas da Fortune. Em 1966, o primeiro protótipo da análise foi testado e publicado.

Análise Swot: a ferramenta

Forças, fraquezas, oportunidades e análise de ameaças, formam uma análise Swot. Essa ferramenta ajuda a identificar e diagnosticar os fatores com capacidade de atuar sobre um projeto ou produto.

Organizações que buscam um diferencial para se destacar no mercado, precisam criar uma estratégia competitiva, e a melhor forma de fazer isso é avaliando o ambiente interno e externo para conseguir estabelecer regras.

A ferramenta analisa quatro elementos principais: ambiente interno: os pontos fortes e fracos e o ambiente externo: oportunidades e ameaças.

  • Pontos fortes: Diz respeito às vantagens internas da empresa, quando comparada com seus concorrentes. Ex: Serviço prestado, produto, qualidade de atendimento, etc.
  • Pontos Fracos: Todas as desvantagens da empresa, quando comparada com seus concorrentes. Ex: Custos, instalações, marca fraca, etc.
  • Oportunidades: Todos os aspectos externos que podem ajudar a potencializar a vantagens da empresa.
  • Ameaças: Aspectos negativos externos que podem colocar em risco as vantagens competitivas.
Sobre Vanessa Alonso

Mestranda em Ciências dos Alimentos na UNICAMP, pesquisadora, redatora, webwriter, blogueira, estudante de Marketing e curiosa. Possui experiência em outras áreas: área comercial (prospecção, vendas e liderança de equipe) e administrativa.
Perfil no Google+

DEIXE SUA OPINIÃO

*